DICAS |

BEL SORRIR

Dicas de Saúde Bucal Clinica Bel Sorrir. Tudo para cuidar bem do seu sorriso.

  • ● Câncer de Boca: O que é e como evitar?
    cancer boca

    O câncer tem o seu início com o descontrole de algumas células que se multiplicam mais rápido que as células normais do organismo. Os fatores que podem provocar o câncer de boca são: o vício de fumar cigarros e cachimbos, o consumo de álcool, a má higiene bucal e o uso de próteses dentárias mal ajustadas, além da exposição continuada à luz solar sem proteção, o que pode desencadear o câncer de lábio.

    No início, os sintomas são feridas na boca que não cicatrizam em uma semana, feridas superficiais com menos de 2cm de diâmetro e indolores (podendo sangrar ou não), nódulos, manchas esbranquiçadas ou avermelhadas nos lábios ou na parte interna da boca. Já a dificuldade de falar, mastigar e engolir, além de emagrecimento acentuado, dor e presença de íngua no pescoço, são sinais de câncer em estágio avançado.

    A prevenção é feita através do diagnóstico precoce, pois todos sabem que quando tratado no início, a cura do câncer pode se aproximar de 100%. O autoexame na boca deve ser realizado a cada 6 meses, em local bem iluminado e diante do espelho. Devem ser inspecionadas todas as estruturas da boca e do pescoço, observando sinais como mudança na cor da pele e mucosas, endurecimentos, caroços (principalmente no pescoço e embaixo do queixo), feridas que não cicatrizam, inchações, áreas dormentes, dentes quebrados ou amolecidos e ferida rasa, indolor e avermelhada.

    É IMPORTANTE FRISAR QUE NO INÍCIO AS LESÕES SÃO INDOLORES. A DOR PODE SER UM SINAL DE CÂNCER BUCAL AVANÇADO.

    Mesmo com o autoexame, nem sempre é possível visualizar e detectar os primeiros sinais da existência do câncer de boca, o que aumenta a importância das consultas regulares com o dentista. Ele foi preparado para diagnosticar e tratar das lesões cancerizáveis (lesões que, se não tratadas, podem evoluir para um câncer); colher o material para a biópsia, que consiste na remoção de um pequeno fragmento da lesão para posterior exame microscópico, e também a orientar e estimular ao auto-exame.

  • ● Como é o autoexame para prevenção do Câncer de Boca?

    Para prevenir, além de evitar o consumo de álcool (responsável por 55% dos casos) e de tabaco (responsável por 90% dos casos em homens e 60% em mulheres), é importante manter a higiene bucal e ter uma alimentação saudável. É fundamental, também, fazer um autoexame, mensalmente, pois, quando identificado no começo, o câncer de boca pode ser curado. Aprenda a fazer o autoexame:

    • Só é preciso de um espelho e um ambiente bem iluminado;
    • Lave a boca e remova próteses dentárias, se for o caso;
    • De frente para o espelho, veja se a pele do rosto e do pescoço tem algum sinal diferente;
    • Puxe o lábio inferior para baixo e apalpe sua parte interna. Puxe o lábio superior para cima, e repita o processo;
    • Afaste a bochecha e percorra, com o dedo, toda a gengiva e também embaixo da língua;
    • Incline a cabeça para trás e, de boca aberta, examine o céu da boca. Observe também o fundo da garganta;
    • Apalpe a língua em toda a sua extensão;

    Procure mudanças na aparência dos lábios e da porção interna da boca, endurecimentos, caroços, feridas, sangramentos, inchações, áreas dormentes e dentes amolecidos ou quebrados. Evite fumo e álcool, faça uma alimentação rica em frutas, verduras e legumes e, se notar alguma anormalidade, procure imediatamente um dentista.

  • ● Como manter uma boa saúde bucal

    Todos nós sabemos que o sorriso é o nosso cartão de visitas, um sorriso bonito e saudável melhora a estética e aumenta a autoestima.

    Responsável pela mastigação e pela articulação das palavras, os dentes são importantíssimos ao nosso organismo, pois refletem diretamente em nossa saúde em geral.

    Nas visitas ao dentista além do exame clínico para verificar a necessidade de algum tratamento, ele irá orientá-lo sobre a forma correta de higienização bucal.

    Confira abaixo 10 dicas para a manutenção de uma boa saúde bucal:
    1° Escolha uma escova dental de boa qualidade. Ela deve ter cabo reto, cabeça pequena, cerdas macias e arredondadas;
    2º Troque a escova a cada três meses ou quando estiver muito desgastada;
    3° Use o fio dental e/ou escova interdental para limpar entre os dentes, onde a escova não alcança;
    4º Não use muito creme dental, a quantidade deve ser semelhante a um grão de ervilha;
    5° Lembre-se de limpar a língua para prevenir o mau hálito. Usar limpadores linguais é importante;
    6º Use antisséptico bucal apenas se o dentista recomendar;
    7º Faça a higienização bucal ao acordar e depois de todas as refeições, inclusive após os lanchinhos;
    8º Espere pelo menos meia hora depois de comer para escovar os dentes. Nesse tempo a saliva diminui a acidez da boca;
    9º Mantenha uma alimentação saudável e evite fumo e bebidas alcoólicas;
    10º Visite o dentista ao menos de seis em seis meses;

    Como você pode observar, a prevenção é fundamental para um sorriso bonito e saudável.

  • ● Sapinho ou Monilíase Oral
    sapinho

    O sapinho, ou monilíase, é uma infecção fúngica bucal. É causada pelo fungo Candida albicans, que também pode provocar assadura. O sapinho é geralmente visto em crianças com menos de seis meses. Em crianças mais velhas, é muito menos comum e sua ocorrência pode indicar uma doença grave, como uma deficiência imunológica.

    O sapinho aparece como pontos brancos, escamosos, semelhantes a queijo, que cobrem toda a parte da língua e das gengivas, a parte interna das bochechas e, às vezes, os lábios. Esses pontos não saem facilmente. Quando se raspa ou se arranha esses pontos, forma-se uma área vermelha e inflamada que pode sangrar.

    Os coalhos de leite parecem sapinho, mas saem facilmente sem deixar a área machucada. A dor do sapinho pode interferir na alimentação, fazendo o bebê perder o apetite. O sapinho geralmente não causa maiores complicações, mas deve ser tratado para evitar uma infecção longa e crônica.

    Se o sapinho for acompanhado de febre, tosse ou problemas estomacais, um médico deve ser consultado, porque podem ser sinais de um sistema imunológico comprometido.

    Não tente raspar ou tirar o sapinho da boca do bebê, porque pode provocar sangramento e dor. O ideal é que a área seja apenas limpa com bicarbonato de sódio, conforme prescrição do pediatra. A mãe que estiver amamentando um bebê com sapinho deve reduzir drasticamente a quantidade de açúcar na sua dieta, ou de preferência, eliminá-la por completo. O fungo prolifera no açúcar. Reduzir ou eliminar gorduras também pode ser útil.

    Hábitos de higiene são extremamente importantes para se evitar essa infecção, como higienizar adequadamente mamadeiras e chupetas e, em caso de lactante, manter os seios limpos.

  • ● Cárie de Mamadeira e Higiene do Bebê
    carie mamadeira

    Além das indiscutíveis propriedades físicas, nutricionais e psicológicas do leite materno, a amamentação é importante para a saúde bucal do bebê. Mamando no peito, o bebê respira pelo nariz e é obrigado a morder, avançar e retrair a mandíbula. Isso propicia o correto desenvolvimento muscular e esquelético da face, possibilitando a obtenção de uma boa oclusão dentária.

    Os cuidados com a higiene bucal devem começar a partir do nascimento do bebê. No recém-nascido, a limpeza deve ser feita com uma gaze ou fralda umedecida em água limpa para remover os resíduos de leite. Com o nascimento dos primeiros dentes (por volta dos 6 meses), a fralda deve ser substituída por uma dedeira. Aos 18 meses, com o nascimento dos primeiros molares decíduos, a higiene deverá ser realizada com uma escova dental infantil sem creme dental ou com um creme dental sem flúor. O creme dental fluoretado só deverá ser utilizado a partir dos 2 ou 3 anos de idade, quando a criança souber cuspir completamente o seu excesso.

    Higiene com Gaze

    A cárie de mamadeira é uma doença grave que acomete praticamente todos os dentes da criança e ocorre pelo hábito de alimentar o bebê com líquidos e açucares, sem realizar a higiene logo após a ingestão. Desta forma, o pH da boca se torna ácido favorecendo as bactérias, e na hora do sono, a saliva que é importante protetora, encontra-se diminuída, e acumula- se resíduos de leite e/ ou açucares na cavidade bucal. Desta forma, fica muito mais fácil e propenso a desenvolver a lesão de cárie. Conforme isso torna-se um hábito, de alimentar e não higienizar, os dentes ficam fragilizados, ocorrendo processo de desmineralização e consequentemente surgindo a cárie, de forma que acomete todos os dentinhos.

    Devemos focar em prevenir que isso aconteça, por mais que seja trabalhoso realizar a higiene no recém nascido é essencial para não lhe trazer problemas futuros.

    Higiene com Dedeira

    Vale também, não adicionar açúcar ao leite, ou a qualquer líquido que a criança for ingerir, controlar a dieta, é muito importante no controle da cárie.

    O dente de leite é muito importante, pois se não tratado, pode transmitir o problema para o dente permanente assim como, ao perde-lo, o dente permanente fica sem guia, podendo erupcionar em posições totalmente inadequadas.

    Se você perceber que seu bebê apresenta vários dentes acometidos por cáries, ou manchinhas escuras que tornam a aparência dos dentinhos desagradáveis, procure imediatamente o odontopediatra ou cirurgião dentista que tenha aptidão em atender crianças.

  • ● Gengivite e Periodontite
    Gengivite

    A gengivite é uma inflamação da gengiva que pode progredir e atingir o osso alveolar. É este que envolve e sustenta os dentes. É causada pela presença da placa bacteriana ou biofilme dental, uma película incolor e pegajosa que se forma continuamente nos dentes. Se não for removida diariamente por meio da escovação e do uso do fio dental, a placa bacteriana pode se formar e as bactérias nela contidas poderão infeccionar não apenas a gengiva e a região ao redor dos dentes, mas acabarão por atingir o tecido abaixo da gengiva e o osso que suporta os dentes. Isto pode fazer com que os dentes fiquem amolecidos, caiam ou tenham que ser removidos pelo dentista.

    São três os estágios da doença periodontal:

    • Gengivite: este é o primeiro estágio da inflamação gengival causada pela placa bacteriana que se forma na margem da gengiva. Se a escovação e o uso do fio dental diariamente não forem suficientes para remover a placa, ela produzirá toxinas que podem irritar o tecido gengival, causando a gengivite. Você pode notar algum sangramento durante a escovação e o uso do fio dental. Neste primeiro estágio da doença, o dano pode ser revertido, já que o osso e o tecido conjuntivo que seguram os dentes no lugar não foram atingidos.

    • Periodontite: neste estágio, o osso e as fibras de sustentação que mantêm os dentes em posição são irreversivelmente danificados. Ao redor da sua gengiva pode começar a se formar uma bolsa que avança para baixo da gengiva e onde ficam armazenados os detritos e a placa bacteriana. O tratamento dentário adequado e a higiene bucal minuciosa em casa, em geral, podem ajudar a prevenir danos maiores.

    Periodontite

    • Periodontite avançada: neste estágio final da doença, as fibras e os ossos de sustentação dos dentes estão destruídos, o que faz com que os dentes migrem ou mudem de lugar ou se tornem abalados ou com mobilidade. Isto pode afetar sua mordida e, se o tratamento não for eficaz, você corre o risco de perder seus dentes.

    Como saber se tenho gengivite?

    A gengivite pode ocorrer em qualquer idade, mas é mais comum entre os adultos. Se for detectada no seu estágio inicial, a gengivite pode ser revertida - portanto, visite seu dentista se notar qualquer um dos seguintes sintomas:

    Periodontite

    • Gengiva vermelha, intumescida ou inchada, ou flácida. • Gengiva que sangra durante a escovação ou o uso do fio dental. • Dentes que parecem mais longos devido à retração da gengiva. • Gengiva que se separam ou se afastam dos dentes, criando uma bolsa. • Mudanças na forma como seus dentes se encaixam quando você morde. • Secreção de pus ao redor dos dentes e na bolsa gengival. • Mau hálito constante ou gosto ruim na boca.

    Como é tratada a gengivite?

    • Os primeiros estágios da gengivite, de modo geral, podem ser revertidos por meio da escovação e do uso de fio dental corretos. Uma boa saúde bucal ajudará a evitar que a placa se forme.

    • Uma limpeza profissional feita pelo seu dentista é a única forma de remover a placa que se formou e endureceu - o tártaro. Seu dentista fará a limpeza ou raspagem de seus dentes para remover o tártaro acima e abaixo da linha da gengiva. Se o seu problema for muito sério, pode-se realizar um procedimento para aplainar a raiz nas suas partes mais profundas. Este procedimento ajuda a suavizar as irregularidades nas raízes dos dentes, dificultando o endurecimento da placa bacteriana. Com consultas regulares a seu dentista, o estágio inicial da doença pode ser tratado antes que se torne um problema muito mais sério. Se seu problema for mais grave, será necessário fazer um tratamento no consultório odontológico.

  • ● Veja 5 hábitos que você pode mudar para evitar o ronco
    evitar ronco

    Não há graça na sinfonia noturna causada pelo ronco. Além de incomoda, ela pode ser um sinal de sérios problemas de saúde com apneia obstrutiva do sono, quando o portador para de respirar por alguns segundos enquanto dorme.

    Perceba que o roco é um problema grave não só para que o tem, mas também para o companheiro(a), trazendo transtorno no relacionamento ou até mesmo problemas como insônia e depressão pelo quadro de privação do sono. Há alguns tratamentos contra o ronco, mas também você pode evitá-lo com algumas mudanças de hábito simples. Antes de mais nada observe se o ronco é algo rotineiro, se interrompe o seu sono com frequência ou mesmo se as pessoas que convivem ao redor sempre lhe chamam a atenção. Outros sinais são o cansaço, a fadigado e a apneia do sono como já falamos.

    Para melhorar suas noites de sono e reduzir o índice de ronco, analise alguns dos 5 hábitos que iremos citar e veja se você tem algum deles. Se tiver, é hora de mudar.

    1º – Alimentação desequilibrada: Esse é um dos fatores de risco que favorece o roco, isso porque, com alguns quilinhos a mais é possível que o ronco aumente, já que a gordura que fica acumulada na garganta pode dificultar a passagem de ar. Sendo assim, manter uma alimentação saudável ajuda a manter a saúde geral em dia, bem como evitar o possível ronco. Outro fator ligado a alimentação é quem tem costume de fazer refeições perto da hora de dormir, esse hábito facilita o refluxo, e a noite não será das mais relaxantes. 2º – Sedentarismos: Esse hábito, também é um fator preponderante para que o indivíduo ronque. Faça exercícios físicos. Atividades físicas liberam a endorfina – neurotransmissor que traz sensação de bem-estar ao corpo que ajuda nas boas noites de sono. Não faça exercícios próximo a hora de dormir. No mínimo quatro horas antes de dormir.

    3º – Ingerir bebidas alcoólicas: Além dos riscos que normalmente já traz a saúde, a bebida alcoólica relaxa a musculatura, e a língua ainda pode atrapalhar a saída de ar.

    4º – Dormir de barriga para cima: Opte por dormir de lado. Isso porque, de barriga para cima, a língua pode obstruir a passagem de ar, uma vez que fica mais próxima ao céu da boca.

    5º – Fumar: O tabaco incha a garganta e irrita as vias respiratórias. Além do quê, pode causar câncer de boca, garganta, etc.

    Com esses cuidados, mudando esses hábitos, você conseguirá ter uma melhor noite de sono, livre do ronco. Mas lembre-se que mesmo assim ainda é indicado que procure um médico, para que exames mais detalhados possam ser realizados para evitar problemas mais sérios.

  • ● Plástica Gengival (Gengivoplastia)
    plástica gengiva

    Existem algumas pessoas que ao sorrir, mostram mais a gengiva que os dentes, prejudicando bastante a estética do sorriso. O problema é de nascença, mas pode ser adquirido devido a inflamações ou através do uso de algum medicamento. O sorriso gengival, como é chamado, é motivo de desconforto para diversas pessoas, mas poucos sabem que ela possui tratamento.


    O QUE É PLÁSTICA GENGIVAL?

    A plástica gengival ou gengivoplastia é um procedimento cirúrgico odontológico que tem como finalidade refazer o contorno da gengiva nos dentes e geralmente é realizado no próprio consultório do dentista. A especialidade que trata desse problema estético é a Periodontia.

    COMO É FEITO?

    Esse procedimento é bem simples e consiste na remoção de parte do tecido gengival, para expor melhor os dentes. O paciente só precisa fazer exames de rotina como a radiografia e o exame de sangue. Se não houver nenhuma complicação, a cirurgia é autorizada. O pré-operatório consiste em uma limpeza local e, se necessário, uma raspagem. A operação também costuma ser bastante tranquila, rápida e indolor. Aplica-se anestesia local e com um bisturi elétrico e/ou equipamentos cortantes refaz-se o contorno das gengivas. O tempo da cirurgia varia de acordo com a quantidade de dentes que irão ser trabalhados.

    COMO É O PÓS-OPERATÓRIO, CAUSA DOR?

    O pós-operatório é de aproximadamente uma semana a dez dias. Neste período de recuperação o paciente precisa evitar alguns tipos de alimentos e fazer a higienização correta.

    COMO SÃO OS RESULTADOS?

    A mudança é evidente logo após a operação, no entanto, é possível avaliar melhor o resultado final apenas uma semana depois, quando a gengiva está totalmente cicatrizada. Após esse período, já é possível verificar uma melhora inclusive na auto-estima dos pacientes, que passam a sorrir com mais naturalidade e felicidade.

    É UM PROCEDIMENTO SIMPLES QUE POSSO FAZER COM QUALQUER DENTISTA?

    A maior cautela que os pacientes devem tomar é quanto à escolha do profissional. Apesar de ser um procedimento simples, é preciso avaliar com bastante cautela e escolher um bom especialista em periodontia, o qual deve ser hábil e muito cuidadoso, ter boa formação e experiência, para que assim o resultado seja o melhor possível.

Para maiores informações ligue 54 3519 3332 ou acesse nosso chat online:

Atendimento OnLIne